Solo Exhibitions

Brasilia 50 years of a modern utopia

 

THE EVENT

In commemoration of the fiftieth anniversary of the Federal Capital, Contemporary Cultural Space - ECCO, in partnership with the German Embassy, inaugurates on Monday, May 17th, at 20:00h, the exhibition "BRASILIA 50 YEARS OF A MODERN UTOPIA", by the German photographer Thomas Kellner. The artist presents a new work, developed after research conducted over the past five years, with innovative look on the city's architecture. The exhibition runs until July 25th, 2010.
 

THE EXHIBITION

A non-stereotypical portrayal of the city's monuments is the objective of Thomas Kellner, whose work not only honor the fiftieth anniversary of Brasilia, but also the architect Oscar Niemeyer, as most of the pictures relate to the monuments created by him. The curator of the exhibition is the English critic Paul Wombell, that will be in town for the opening. According to him, "Brasilia was designed for movement. A city set on a plot that cuts across the savannah in the shape of an airplane. Brasilia wouldn’t be modeled as the Brazilian cities or any other city in the world ".
Kellner, who photographs monuments in various countries for more than 10 years, such as France, the United States of America and China, represents the space with reference to architecture. In Brasilia, he searches to display characteristics of the city that are suggested by the original project, such as a city designed in the era of the machine, but worried about the human side. Each monument is presented as "a skeleton forming a network of possibilities: the possibility of new constructions, of a new city, of a new world based on a program of social improvement. This is the network of modernity”...
The spatial isolation of most of the buildings designed by Oscar Niemeyer is a valuable context in Kellner’s works. The buildings generally are framed only by the sky and the innovative technique gives the impression that the buildings are dancing or falling apart. His works are handmade: it comes from the design of the artist, then the camera scans the building from a point and this is repeated in various films of 36 poses to complete the reconstruction of the photographed image, recreated, click to click. The final result shows images together, in rebuilding the photographed object, that seems to have dynamic and proper motion.

ABOUT THE ARTIST

Thomas Kellner was born in 1966, lives and works in Siegen (Germany), where he studied Art, Sociology, Politics and Economics and he’s a member of the German society of photography. Since 1989, his interest was focused on experimental and conceptual photography, and his work began to be more visible after 1997, when he won the Kodak award for young professionals. Last year Kellner received the awards for Excellence in the International Festival of Pingyao, China, and in the Fine Arts, Germany.
With important publications around the world, including "Thomas Kellner: All Shook Up", "The Boston Athenaeum”, Boston, USA, 2008, "Thomas Kellner: Dancing Walls”, 2007, and “Thomas Kellner: Tango Metropolis", Image Gallery, Aarhus/Denmark, 2005. His works are part of museum collections in several countries, such as the Art Institute of Dayton, Ohio and the Museum of Fine Arts, Boston, both in the United States, as well as private collections in Schuppmann, Germany.

EDUCATIONAL PROGRAM

Continuing in its EDUCATIONAL PROGRAM, ECCO, in partnership with the University of Brasilia/CAL/DEX, the Education Department of Federal District Government and the Integral Education Program, conducts this special event for formation of the public. It is the XXV Technical Meeting of the Education Program (training course), whose theme is “Art City: symbol, myth and utopia - education and citizenship”, linked to the contents of the new international exhibition of photography of the artist Thomas Kellner (Germany), wich  runs at ECCO until July 25th, 2010.
It will be addressed subjects such as Arts, History, Architecture, Philosophy, Psychology and Anthropology, subjects included in the National Curricular Parameters - NCP's, aimed at promoting cultural and academic exchanges, including in an international level and educate public. The method used by ECCO aims to stimulate research on contemporary art from an interdisciplinary exercise. This content was developed by Ana Queiroz, PhD in Art History - Univ. Complutense of Madrid.
This is the twenty-fifth stage of the Education Program of ECCO and it will be distributed educational materials, offering subsidies to develop work in the classroom, with exercises that encourage learning through art. The texts will be complemented by historical and iconographic documents, and exercises to encourage interdisciplinary, linked directly to the content of NCP’s.
The event will happen on Tuesday, May 18th, in the afternoon hours (14:00h to 18:00h), at ECCO building itself. The artist Thomas Kellner and the exhibition's curator, Paul Wombell will be present at the time and there will be simultaneous translation. To subscribe, simply request a confirmation by e-mail (educativo@eccobrasilia.com.br, ecco@arte21brasilia.com.br and recepcao@eccobrasilia.com.br) or by phone: (61) 3327-2025 / 3327 - 2027 extensions 29 and 31 or (61) 9964-2103.
Subscriptions are free as well as printed material to participants. Limited availability and delivery of certificates, including recognition of Extension of University of Brasília (UnB). The filling of the form of extension will happen at the place, before the beginning of the event.

TIP OF NOTES:

ABOUT THE EXHIBITION: The ECCO opens the unprecedented exhibition of the German photographer Thomas Kellner "BRASILIA 50 YEARS OF A MODERN UTOPIA."
After 10 years registering cities in different countries of the world, it was the turn of Brasilia to be captured through the lens of the photographer's original and unique technique that virtually deconstructs and reconstructs each object photographed. The exhibition commemorates the fiftieth anniversary of the capital of Brazil and the architect Oscar Niemeyer. On exhibition until July 25th.

ABOUT THE XXV TECHNICAL MEETING:

The ECCO invites you to the XXV Technical Meeting for Educators, to be held on May 18th, Tuesday, from 14pm to 18pm, at ECCO building itself. The theme will be “Art and City: symbol, myth and utopia - education and citizenship”, and subjects included in the National Curricular Parameters – NCP’s will be covered, such as Arts, History, Architecture, Philosophy, Psychology and Anthropology. The educational activity is related to the new exhibition at the space "BRASILIA 50 YEARS OF A MODERN UTOPIA", by the German artist Thomas Kellner. The course is free and there will be delivery of certificate-aware of Extension of the University of Brasília (UnB). Limited availability!

SERVICE:

Individual International Exhibition
"BRASILIA 50 YEARS OF A MODERN UTOPIA", by the German artist Thomas Kellner
Registration and scheduling of visits: 61.33272027 extensions 20, 29 or 31. or 99642103
Visitation: Until July 25th, 2010, from Tuesday to Sunday, from 9am to 19pm


LOCAL

Cultural Contemporary – ECCO
SCN Quadra 3 Lote 5 (next to the JORLAN) Site: www.eccobrasilia.com.br
MORE INFORMATION
ECCO  Production
Ana Carolina Borges: 33272027 r. 22 / prod.3 @ arte21brasilia.com.br
EDUCATIONAL PROGRAM
Scheduling visits and work in workshop.
ecco@arte21brasilia.com.br, educativo@eccobrasilia.com.br and recepcao@eccobrasilia.com.br
Phone. 3327 2027 or 2025 r. 29 or 31, and 99642103

ficha técnica

Realização: ECCO - Contemporary Cultural Space and German Embassy
CO-realização: Fundação Athos Bulcão and FOTO ARTE
SPONSORSHIP: Brasilprev
CO-SPONSORSHIP: FAC - Fund for Support of Culture, GDF, FNC, MinC and the Federal Government
SUPPORT: MinC/Rouanet and Graphic Acqua
EDUCATIONAL PARTNERSHIP: UnB/DEX and CAL
EDUCATIONAL SUPPORT: Education Secretary GDF, Escola Aberta, UNICEF, Sinepe, Eape.

 

EXHIBITION REVIEWS:

Correio Brasiliense

O alemão Thomas Kellner retrata "em pedaços" os cartões-postais da cidade


Nahima Maciel
Publicação: 17/05/2010 08:21
Mal se reconhece a paisagem brasiliense ao observar as fotografias do alemão Thomas Kellner. A cidade assume ares cubistas, os monumentos parecem inclinados em ângulos surreais e distorcidos. Brasília 50 anos de uma utopia moderna, em cartaz a partir de hoje no Espaço Cultural Contemporâneo (Ecco), apresenta uma capital desconstruída e remodelada aos olhos de um fotógrafo inconformado em reproduzir o que o olho humano podia captar.
 

A paisagem retilínia do Conjunto Nacional ganhou contorno arredondado: cada canto do centro comercial foi fotografado em diferentes ângulos   
Kellner desembarcou na capital pela primeira vez em 2004, a convite da curadora Karla Osório, diretora do Ecco. Acostumado a fotografar arquitetura pelo mundo desde os anos 1990, ficou naturalmente fascinado com o traço de Oscar Niemeyer e o planejamento urbano de Lucio Costa. Desde então, visitou a cidade pelo menos uma vez por ano para registrar os ícones arquitetônicos de uma maneira particular.

Caos ordenado
O fotógrafo não mirou a geometria nem a monumentalidade que geralmente seduz o olhar dos visitantes. Preferiu retalhar o que via em centenas de pequeninos quadros e reconstruir tudo de um jeito desconjuntado. Gerou um caos ordenado pelo instinto e pela emoção. Foram seis anos de estudos milimétricos de cada paisagem. "Foi a primeira vez que dediquei um projeto a um único arquiteto", conta. Os ícones de Niemeyer estão nas 14 imagens apresentadas no Ecco sob curadoria do crítico inglês Paul Wombell, mas Kellner também incluiu prédios de outros arquitetos. "Alguns eu até pensava que eram dele (Niemeyer), mas não eram." Palácio do Planalto, Catedral, Supremo Tribunal Federal e Teatro Nacional ganharam a companhia da Torre de TV e do Conjunto Nacional. As fotografias nunca estiveram expostas em Brasília, apesar de outras imagens do alemão terem sido alvo de uma mostra na Galeria Athos Bulcão durante o festival Foto Arte de 2005.

Kellner trabalha como um artesão. Fotografa cada canto do quadro imaginário traçado em volta da paisagem para construir uma imagem única. Algumas - caso do skyline da Esplanada - contêm mais 400 pequenos fotogramas. Tudo é feito com câmera analógica e na sequência observada no conjunto. Fotoshop e retoques digitais são opções desconsideradas pelo fotógrafo. "Não há nada de novo no fotoshop. Não preciso dele." É um processo minucioso e metódico, possível apenas graças aos desenhos e cálculos previamente realizados, como as linhas imaginárias traçadas no quadro para indicar a mudança de ângulo a cada disparo. "A sequência de frames é o próprio movimento da câmera, mas o ângulo nunca é o mesmo. Não posso lembrar exatamente os mesmos ângulos, então preciso seguir meu instinto e sentir minha emoção no momento", avisa.

Nascido em Bonn há 44 anos, Kellner se sentia insatisfeito ao usar a câmera como uma janela para a realidade. Inspirado na ideia plantada pela escola cubista no início do século 20, começou a pesquisar linguagens de desconstrução em fotografia. "Fico muito entediado de registrar coisas que posso ver com meus olhos. Vale a pena levar para um pedaço de plástico algo que posso experimentar com todos os meus sentidos? Para mim não, a menos que possa ter outra experiência", diz. "É uma abordagem muito pessoal na qual busco minha própria imagem e tento fazer algo original. Sei que não fui o único a fazer isso, mas não são muitos os fotógrafos que construíram uma obra assim."

A obra inclui imagens de ícones da história da arquitetura espalhados pelo mundo inteiro. Do Times Square, em Nova York, à Sagrada Família de Antoní Gaudí, em Barcelona, arquitetura é alvo constante. Ultimamente, no entanto, Kellner tem se aventurado em experiências com paisagens. Está intrigado em como construir uma linguagem a partir da pintura cubista e tem produzido um conjunto muito singelo de imagens que define como "quadros". Pode não haver novidade aí, mas certamente há poesia e uma beleza curiosa.

Fotogramas
Thomas Kellner leva em média duas horas para realizar cada imagem. Precisa ser rápido por causa da luz, que deve ser a mesma em cada um dos fotogramas. Quando as nuvens encobrem o sol, o fotógrafo espera que o vento as leve embora e devolva a luminosidade preciosa para a desconstrução.

Brasília 50 anos de uma utopia moderna
Exposição do fotógrafo alemão Thomas Kellner com curadoria do inglês Paulo Wombell. Abertura hoje, às 20h, no Espaço Cultural Contemporâneo - Ecco (SCN Q.3, Lt. 5). Visitação até 25 de julho, de terça a domingo, das 9h às 19h.

www.correiobraziliense.com.br/app/noticia182/2010/05/17/diversaoearte,i=192726/O+ALEMAO+THOMAS+KELLNER+RETRATA+EM+PEDACOS+OS+CARTOES+POSTAIS+DA+CIDADE.shtml

----------------------------------------------------------------------------

Acha Brasilia

“Brasília 50 anos de uma utopia moderna” abre hoje e traz fotos do alemão Thomas Kellner.
 
O Espaço Cultural Contemporâneo – ECCO inaugura hoje, dia 17 de maio,  às 20 horas, a exposição “BRASÍLIA 50 ANOS DE UMA UTOPIA MODERNA”, do conceituado fotógrafo alemão Thomas Kellner.  Visita guiada com o curador Paul Wombell  às 19 horas .

O evento integra a programação oficial do aniversário de 50  anos de Brasília e homenageia ainda o arquiteto Oscar Niemeyer, uma vez que a maioria das obras retrata monumentos criados por ele.

Kellner, que há mais de dez anos fotografa monumentos em vários países, como França, Estados Unidos e China, representa o espaço fazendo reverência à arquitetura. Em Brasília, o artista busca exibir características da cidade sugeridas pelo projeto original, como a de uma cidade desenhada na era da máquina, mas preocupada com o lado humano. Em seu trabalho, a capital é apresentada como uma trama.
Serviço: “BRASÍLIA 50 ANOS DE UMA UTOPIA MODERNA”, de Thomas Kellner
Visitação: 17 de maio a 25 de julho de 2010.
Local : ECCO – Espaço Cultural Contemporâneo – ECCO (SCN Quadra 3 Lote 5 (ao lado da concessionária JORLAN) 
 

achabrasilia.com/thomas-kellner-ecco/

----------------------------------------------------------------------------

Brasil Alemanha

 

Fotógrafo alemão focaliza Brasília: 50 anos de uma utopia moderna

Thomas Kellner está entre os mais eminentes fotógrafos de arquitetura do mundo. Por ter desenvolvido um método original de fotografar edifícios, alcançando uma forma inconfundível de expressão, as construções dão a impressão de dançar em suas fotografias.
 
Com apoio da Embaixada da República Federal da Alemanha, entra em cartaz nesta terça-feira, 18/05, em Brasília, a exposição „Brasília: 50 anos de uma utopia moderna“, do fotógrafo alemão Thomas Kellner. A mostra pode ser vista de terça-feira a domingo, das 9h às 19h, até 25 de julho, no Espaço Cultural Contemporâneo – ECCO.
 
Thomas Kellner está entre os mais eminentes fotógrafos de arquitetura do mundo. Por ter desenvolvido um método original de fotografar edifícios, alcançando uma forma inconfundível de expressão, as construções dão a impressão de dançar em suas fotografias. Registrando os monumentos mais conhecidos, atrações turísticas e símbolos de países, fotografdos quase sempre pelos mesmos ângulos por milhares de turistas, Kellner ambiciona com seu trabalho ir além da rotina, dessa forma de olhar as coisas.
„Brasília: 50 anos de uma utopia moderna“ é uma oportunidade única para ver capital brasileira a partir dos olhos de um alemão.

 

www.brasilalemanha.com.br/portal/index.php

----------------------------------------------------------------------------

Brasil Alemanha News

 

Brasília pelas lentes de Thomas Kellner
Exposição “Brasília: 50 anos de uma utopia moderna” traz imagens desconstruídas da cidade, feitas pelo fotógrafo alemão. Kellner é conhecido em todo o mundo por imprimir traços cubistas às suas fotos
Tatiana Lemos
Pelas lentes do fotógrafo alemão Thomas Kellner, a paisagem brasiliense poderá ser vista por ângulos e formas incomuns. A exposição “Brasília: 50 anos de uma utopia moderna”, que começa nessa terça-feira (18) na capital federal, traz uma cidade com ares cubistas e ângulos inclinados, formada por centenas de fotogramas.
 
Imagem da Catedral de Brasília feita pelo fotógrafo alemão / Foto : Divulgação
Conhecido em todo o mundo por fotografar símbolos arquitetônicos e monumentos de diversos países, Kellner imprime no seu trabalho uma marca muito particular. A originalidade começa já no método de captação: com uma câmera analógica ele fotografa cada quadro de seu objeto, transformando a paisagem em pequenos pedaços. O cenário é desfeito para, depois, ser reconstruído. Fruto de pesquisas do artista em linguagens de desconstrução em fotografia, a técnica é inspirada na escola cubista do século 20.
Na exposição, ícones de Oscar Niemeyer e de outros arquitetos integram as 14 imagens apresentadas no Espaço Cultural Contemporâneo – Ecco, sob curadoria do inglês Paul Wombell, com apoio da Embaixada da República Federal da Alemanha. As fotografias nunca foram expostas em Brasília.

 

www.brasilalemanhanews.com.br/Noticia.aspx

----------------------------------------------------------------------------

Clicabrasilia

 

Thomas Kellner lança livro no ECCO
O fótografo alemão Thomas Kellner lança hoje o livro Brasília: 50 Anos de Utopia Moderna (Editora ARP, 160 páginas, R$80 – preço promocional de lançamento R$60), no Espaço Cultural Contemporâneo (ECCO), em parceria com a Embaixada da Alemanha. O evento ocorre durante a exposição do artista, que leva o mesmo nome da publicação e está em cartaz na Galeria I do ECCO desde maio até o final de julho.
 
Kellner viaja há mais de 10 anos ao redor do mundo, registrando as principais obras arquitetônicas das cidades que visita. "O que diferencia Brasília de todas as cidades que já fui é exatamente sua arquitetura", diz o artista, que homenageia o cinquentenário da capital em seu novo trabalho. "Gosto do Congresso, da Catedral, e de entrar na (igreja) Dom Bosco. Porém, muitos outros lugares da cidade também me impressionaram", declara.
 
Em seu livro, podem ser conferidas aproximadamente 50 imagens autorais sobre a arquitetura brasiliense, bem como o seu processo de produção (making of). A publicação é trilíngue (português, inglês e alemão) e possui textos institucionais e curatoriais, além de análises críticas de autores como Paul Wombell (Inglaterra), André Correia do Lago (Brasil) e Stefanie Scheit-Koppitz (Alemanha). O foco do trabalho do artista não é retratar a realidade, mas desconstruir a imagem captada e remontá-la como um quebra-cabeça, utilizando a fotografia como uma plataforma de expressão artística. Assim como faz com suas imagens, Kellner acredita que a visão sobre Brasília também precisa ser remontada para que a capital deixe de ser apenas uma utopia. "Brasília tem só 50 anos e, quando eu era criança, aprendi que essa cidade era o modelo da cidade utópica. Hoje, alcançamos esse proclamado futuro e precisamos atualizar nossa visão sobre a capital", sugere.
 
O interesse do fotógrafo em cliques experimentais e conceituais se manifesta desde 1989. Em 1997, seu foco passou a ser a desconstrução de imagens, técnica que aprimorou e, com o passar dos anos virou sua marca, e ao filme de 35 mm. Nesse mesmo ano, sua obra passou a ter maior visibilidade, pois ganhou o prêmio Kodak para novos profissionais. No ano passado, recebeu os prêmios de Excelência no Festival Internacional de Pingyao, na China, e de Finas Artes, na Alemanha. Além das publicações feitas pelo mundo, como Thomas Kellner: All Shook Up, Thomas Kellner: Dancing Walls e Thomas Kellner: Tango Metropolis, alguns de seus trabalhos compõem o acervo de diversos museus, como o Instituto de Arte de Dayton (Ohio) e o Museu de Belas Artes (Boston), ambos nos Estados Unidos.
 
Em Brasília, Kellner participou da mostra Foto Arte 2005. Ele esteve também em outras cidades do País, e afirma ser um apreciador da arte brasileira. Porém, não consegue nomear um artista preferido. "Pelo que eu vi de exposições no Rio de Janeiro, Curitiba e Brasília, eu admiro o frescor, a monumentalidade, as cores e o poder da arte brasileira", diz.

 

http://www.jornaldebrasilia.com.br/site/noticia.php?id=287995&

----------------------------------------------------------------------------

Correio Braziliense

 

O alemão Thomas Kellner retrata "em pedaços" os cartões-postais da cidade


Nahima Maciel
Publicação: 17/05/2010 08:21
Mal se reconhece a paisagem brasiliense ao observar as fotografias do alemão Thomas Kellner. A cidade assume ares cubistas, os monumentos parecem inclinados em ângulos surreais e distorcidos. Brasília 50 anos de uma utopia moderna, em cartaz a partir de hoje no Espaço Cultural Contemporâneo (Ecco), apresenta uma capital desconstruída e remodelada aos olhos de um fotógrafo inconformado em reproduzir o que o olho humano podia captar.
 

A paisagem retilínia do Conjunto Nacional ganhou contorno arredondado: cada canto do centro comercial foi fotografado em diferentes ângulos   
Kellner desembarcou na capital pela primeira vez em 2004, a convite da curadora Karla Osório, diretora do Ecco. Acostumado a fotografar arquitetura pelo mundo desde os anos 1990, ficou naturalmente fascinado com o traço de Oscar Niemeyer e o planejamento urbano de Lucio Costa. Desde então, visitou a cidade pelo menos uma vez por ano para registrar os ícones arquitetônicos de uma maneira particular.

Caos ordenado
O fotógrafo não mirou a geometria nem a monumentalidade que geralmente seduz o olhar dos visitantes. Preferiu retalhar o que via em centenas de pequeninos quadros e reconstruir tudo de um jeito desconjuntado. Gerou um caos ordenado pelo instinto e pela emoção. Foram seis anos de estudos milimétricos de cada paisagem. "Foi a primeira vez que dediquei um projeto a um único arquiteto", conta. Os ícones de Niemeyer estão nas 14 imagens apresentadas no Ecco sob curadoria do crítico inglês Paul Wombell, mas Kellner também incluiu prédios de outros arquitetos. "Alguns eu até pensava que eram dele (Niemeyer), mas não eram." Palácio do Planalto, Catedral, Supremo Tribunal Federal e Teatro Nacional ganharam a companhia da Torre de TV e do Conjunto Nacional. As fotografias nunca estiveram expostas em Brasília, apesar de outras imagens do alemão terem sido alvo de uma mostra na Galeria Athos Bulcão durante o festival Foto Arte de 2005.

Kellner trabalha como um artesão. Fotografa cada canto do quadro imaginário traçado em volta da paisagem para construir uma imagem única. Algumas - caso do skyline da Esplanada - contêm mais 400 pequenos fotogramas. Tudo é feito com câmera analógica e na sequência observada no conjunto. Fotoshop e retoques digitais são opções desconsideradas pelo fotógrafo. "Não há nada de novo no fotoshop. Não preciso dele." É um processo minucioso e metódico, possível apenas graças aos desenhos e cálculos previamente realizados, como as linhas imaginárias traçadas no quadro para indicar a mudança de ângulo a cada disparo. "A sequência de frames é o próprio movimento da câmera, mas o ângulo nunca é o mesmo. Não posso lembrar exatamente os mesmos ângulos, então preciso seguir meu instinto e sentir minha emoção no momento", avisa.

Nascido em Bonn há 44 anos, Kellner se sentia insatisfeito ao usar a câmera como uma janela para a realidade. Inspirado na ideia plantada pela escola cubista no início do século 20, começou a pesquisar linguagens de desconstrução em fotografia. "Fico muito entediado de registrar coisas que posso ver com meus olhos. Vale a pena levar para um pedaço de plástico algo que posso experimentar com todos os meus sentidos? Para mim não, a menos que possa ter outra experiência", diz. "É uma abordagem muito pessoal na qual busco minha própria imagem e tento fazer algo original. Sei que não fui o único a fazer isso, mas não são muitos os fotógrafos que construíram uma obra assim."

A obra inclui imagens de ícones da história da arquitetura espalhados pelo mundo inteiro. Do Times Square, em Nova York, à Sagrada Família de Antoní Gaudí, em Barcelona, arquitetura é alvo constante. Ultimamente, no entanto, Kellner tem se aventurado em experiências com paisagens. Está intrigado em como construir uma linguagem a partir da pintura cubista e tem produzido um conjunto muito singelo de imagens que define como "quadros". Pode não haver novidade aí, mas certamente há poesia e uma beleza curiosa.

Fotogramas
Thomas Kellner leva em média duas horas para realizar cada imagem. Precisa ser rápido por causa da luz, que deve ser a mesma em cada um dos fotogramas. Quando as nuvens encobrem o sol, o fotógrafo espera que o vento as leve embora e devolva a luminosidade preciosa para a desconstrução.

Brasília 50 anos de uma utopia moderna
Exposição do fotógrafo alemão Thomas Kellner com curadoria do inglês Paulo Wombell. Abertura hoje, às 20h, no Espaço Cultural Contemporâneo - Ecco (SCN Q.3, Lt. 5). Visitação até 25 de julho, de terça a domingo, das 9h às 19h.

 

http://www.correiobraziliense.com.br/app/noticia182/2010/05/17/diversaoearte

----------------------------------------------------------------------------

Radio Cultura

 

 Fotografias revelam uma Brasília monumental
Uma Brasília cubista, monumental e inusitada surge nas fotos da exposição Brasília, 50 anos de uma Utopia Moderna, do alemão Thomas Kellner. Suas fotos podem ser vistas até o dia 25 de julho na galeria do Espaço Cultural Contemporâneo, o ECCO, de terça-feira a domingo, das 9h às 19h.

Na obra de Thomas Kellner nota-se que ele amou Brasília. Claro que com os olhos de um artista visual que se apropria das imagens e as transforma, superando o realismo e brincando de várias maneiras com suas ferramentas. Como tantos outros, é fascinado pela obra de Niemeyer e a maioria das fotos registra os espaços monumentais que o arquiteto criou para Brasília. Para o crítico inglês e curador da exposição, Paul Wombell, Brasília foi desenhada para o movimento. Uma cidade definida numa trama que corta a savana com a forma de um avião e não seria modelada de acordo com as cidades brasileiras já existentes ou com qualquer outra cidade do mundo.

Os monumentos e edifícios são fotografados como se fossem organismos ou esqueletos, que permitem uma trama de possibilidades. Kellner, curiosamente, faz um trabalho artesanal, no qual parte do desenho. Depois, usa a câmera para esquadrinhar o objeto fotografado a partir de um ponto. E isso se repete em vários filmes analógicos de 36 poses para completar a reconstrução desse objeto. A imagem, assim, é recriada click a click.

Thomas Kelnner nasceu em Siegen, Alemanha, e tem 34 anos. Suas fotos são uma maneira nova de se conhecer a cidade e de se deslumbrar com as possibilidades da arte fotográfica. O Espaço Cultural Contemporâneo fica no Setor Comercial Norte. Visitas guiadas podem ser agendadas pelo telefone (61) 3327 2027.
Por Celso Araújo

 

http://www.culturafmdf.com.br/v1/content.asp?ContentID=413

----------------------------------------------------------------------------

Dicirta-se

 

07/07/2010
Fotógrafo alemão Thomas Kellner lança livro com imagens de Brasília

 O Espaço Oscar Niemeyer pela lente de Thomas Kellner: quebra-cabeças
As imagens em exibição na mostra Brasília: 50 anos de utopia moderna, do fotógrafo alemão Thomas Keller, no Espaço Cultural Contemporâneo ECCO, podem ser levadas para casa  a partir de hoje. É que o artista lança, nesta quarta, às 19h, o livro homônimo com as fotografias presentes na exposição. A publicação, com 160 páginas e textos em português, inglês e alemão, reúne 50 imagens autorais.

Durante cinco anos, o fotógrafo pesquisou sobre arquitetura moderna e, especialmente, a obra de Oscar Niemeyer. Nas imagens presentes no livro Brasília: 50 anos de utopia moderna, Thomas monta uma espécie de quebra-cabeças com os principais pontos turísticos da capital federal.

Nascido em Siegen – onde reside e trabalha, Thomas se enquadra no tipo de fotógrafo que tem o experimental como destaque. Algo meio cubista, com uma leve sensação de movimento.Grande parte de seus trabalhos já foram expostos e publicados em vários países. Há 10 anos, ele viaja pelo mundo registrando as principais obras arquitetônicas pelas cidades por onde passa.

O livro estará à venda nesta quarta por R$ 60 (preço promocional). Depois, a obra sairá por R$ 80.

 

http://divirta-se.correioweb.com.br/materias.htm?materia=10737&secao=Programe-se&data=20100707

----------------------------------------------------------------------------

Finissimo

 

Fotógrafo alemão homenageia 50 anos de Brasília
Por Thales Sabino em 03.06.2010 : : 17h44
 
O Espaço Cultural Contemporâneo – ECCO – se juntou a Embaixada da Alemanha para a exposição “Brasília 50 anos de uma Utopia Moderna”. A parceria mostra o trabalho do fotógrafo alemão Thomas Kellner, que expõe um trabalho inédito sobre a arquitetura de Brasília e Oscar Niemeyer.
A iniciativa faz parte da comemoração aos 50 anos de Brasília e fica em cartaz até o dia 25 de julho. Foram cinco anos de trabalho para chegar ao resultado final dessa exposição. A mesma galeria que sedia a exposição irá receber o evento de entrega do Troféu Finíssimo, em julho.
 
E também no Ecco, a peça de teatro “Antônio – De Tua tão necessária poesia” com a atuação de Clarisse Abujamra. O espetáculo é na verdade uma coletânea de histórias da atriz, sempre cercadas por ‘Antonios’. Junto com a peça, quem fica em cartaz apenas nos dias 6 e 7 de junho, acontece o lançamento do terceiro livro de Clarisse Abujamra, o “Na Artéria”.
A nova obra tem Clara como personagem principal e sua busca em relembrar momentos marcantes de sua vida. Autógrafos sempre após o espetáculo, no próprio espaço ECCO.
: : Brasília 50 anos de uma Utopia Moderna
Espaço Cultural Contemporâneo – ECCO
SCN Quadra 3 Lote 5 (ao lado da concessionária Jorlan) Site: www.eccobrasilia.com.br

 

http://finissimo.com.br/blogdoeditor/category/noticias/page/2/

----------------------------------------------------------------------------

 Fotocolagem

 

Capital brasileira é retratada com ares cubista pelas lentes de Thomas Kellner
Publicado por evchaves 0 comentários
Arquivado em: Exposições
 Exposição: "Brasília 50 anos de uma utopia moderna"
Foto: Thomas Kellner


Está em cartaz a exposição fotográfica “Brasília 50 anos de uma utopia moderna”, do alemão Thomas Kellner. A mostra retrata a capital brasileira em ares cubistas, os monumentos parecem inclinados em ângulos surreais e distorcidos.A cidade é totalmente remodelada aos olhos do fotógrafo.


As imagens estão expostas para visitação no Espaço Cultural Contemporâneo (Ecco), até o dia 25 de julho. O fotógrafo veio a Brasília pela primeira vez em 2004, a convite da curadora Karla Osório, diretora do Ecco. Há 20 anos Kellner registra arquiteturas do mundo todo, mas quando viu o traço de Oscar Niemeyer e o planejamento urbano de Lucio Costa, ficou fascinado pelos ícones arquitetônicos da capital e passou a visitar o Brasil pelo menos uma vez por ano para fazer seus registros.


O fotógrafo prefere retalhar o que vê em centenas de pequeninos quadros e reconstruir tudo de um jeito desconjuntado.Kellner trabalha também como artesão. Fotografa cada canto do quadro imaginário traçado em volta da paisagem para construir uma imagem única.


Todo o trabalho é feito com câmera analógica e na sequência observada no conjunto. Fotoshop e retoques digitais são opções desconsideradas pelo fotógrafo. "Não há nada de novo no fotoshop. Não preciso dele."É um processo minucioso e metódico, possível apenas graças aos desenhos e cálculos previamente realizados, como as linhas imaginárias traçadas no quadro para indicar a mudança de ângulo a cada disparo. "A sequência de frames é o próprio movimento da câmera, mas o ângulo nunca é o mesmo. Não posso lembrar exatamente os mesmos ângulos, então preciso seguir meu instinto e sentir minha emoção no momento", revela Kellner.


Serviço
Exposição “Brasília 50 anos de uma utopia moderna”
Fotógrafo: Thomas Kellner


Curadoria : Paulo Wombell
Local: Espaço Cultural Contemporâneo - Ecco (SCN Q.3, Lt. 5)


Visitação até 25 de julho, de terça a domingo, das 9h às 19h

http://fotocolagem.blogspot.com/2010_05_01_archive.html

----------------------------------------------------------------------------

Guia da Semana

 

Brasília 50 Anos de uma Utopia Moderna   
Kellner faz reverência à arquitetura, em fotografias da capital
EDITORIAL

Integrando a programação oficial do aniversário da capital brasileira, o Espaço Cultural Contemporâneo (ECCO) traz a exposição Brasília 50 Anos de Uma Utopia Moderna, do conceituado fotógrafo alemão Thomas Kellner.

A mostra busca exibir características de uma cidade que, apesar de ter sido desenhada na era da máquina, preocupou-se com o lado humano. Por Kellner, a capital é apresentada como uma trama.O fotógrafo registra há mais de dez anos monumentos em vários países, como França, Estados Unidos e China, e tem o costume de representar o espaço fazendo reverência a arquitetura.
 
O arquiteto Oscar Niemeyer também é homenageado, já que a maioria das obras apresentadas são monumentos criados por ele. A visita pode ser guiada pelo curador Paul Wombell às 19h.

Foto: Divulgação

 

http://guiadasemana.hagah.com.br/Brasilia/Musica_e_Artes/Evento/Brasilia_50_Anos_de_uma_Utopia_.aspx?id=67620

----------------------------------------------------------------------------

Kant_O_Photomático

 

sexta-feira, 4 de Junho de 2010
Fotógrafo alemão homenageia 50 anos de Brasília
Por Thales Sabino em 03.06.2010 : : 17h44

O Espaço Cultural Contemporâneo – ECCO – se juntou a Embaixada da Alemanha para a exposição “Brasília 50 anos de uma Utopia Moderna”. A parceria mostra o trabalho do fotógrafo alemão Thomas Kellner, que expõe um trabalho inédito sobre a arquitetura de Brasília e Oscar Niemeyer.
 
A iniciativa faz parte da comemoração aos 50 anos de Brasília e fica em cartaz até o dia 25 de julho. Foram cinco anos de trabalho para chegar ao resultado final dessa exposição. A mesma galeria que sedia a exposição irá receber o evento de entrega do Troféu Finíssimo, em julho.

E também no Ecco, a peça de teatro “Antônio – De Tua tão necessária poesia” com a atuação de Clarisse Abujamra. O espetáculo é na verdade uma coletânea de histórias da atriz, sempre cercadas por ‘Antonios’. Junto com a peça, quem fica em cartaz apenas nos dias 6 e 7 de junho, acontece o lançamento do terceiro livro de Clarisse Abujamra, o “Na Artéria”.
 
A nova obra tem Clara como personagem principal e sua busca em relembrar momentos marcantes de sua vida. Autógrafos sempre após o espetáculo, no próprio espaço ECCO.
 

http://kantophotomatico.blogspot.com/search/label/Thomas%20Kellner

----------------------------------------------------------------------------

MacauArtNet

 

Thomas Kellner included in Fantasy and Denial

Thomas Kellner
Margam Castle 2002
At Ffotogallery, Cardiff Wales exhibits "Fantasy and Denial, Ffotogallery Commissions II", curated by Russell Roberts, Senior Research Fellow in Photography, Ffotogallery and University of Wales, Newport. From July 26 to Aug 31, 2008, to mark its 30th anniversary, Ffotogallery presents two exhibitions which celebrate commissioned work made in and about Wales during the last three decades. The selection reflects many distinctive and wide-ranging responses to a variety of circumstances during a period of dramatic social and economic change.

Part two, Fantasy & Denial, draws its title from commissioned work by Willie Doherty depicting the facades of Amgueddfa Cymru – National Museum Wales and Welsh Office in Cardiff (1990). This exhibition considers commissions that have explored the complex relationships between institutions, communities and individual lives.
These two exhibitions offer a fascinating overview of how certain artists have engaged with the specific characteristics of a locality but also connect with ideas and imagery that crosses geographical boundaries. They also reflect some of the shifts in photography during the last three decades that have made the medium a vital and dynamic force in contemporary art and culture.
Fantasy & Denial includes commissioned work by Peter Finnermore, Bedwyr Williams, Ian Breakwell, Haydn Denman, Thomas Kellner, Josef Koudelka, Raffaela Mariniello, Martina Mullaney, Richard Powell, Paul Reas, Pentti Sammallahti and Michelle Sank.
Thomas Kellner was invited in 2002 to work in Cardiff/Wales, which resulted in the exhibition and book Ozymandias with an essay by A.D. Coleman

 

http://www3.icm.gov.mo/gate/gb/www.macauart.net/News/ContentE.asp?id=156097&region=I

----------------------------------------------------------------------------

Mais Brasilia

 

Brasília 50 Anos de uma Utopia Moderna         

Em comemoração aos 50 anos de Brasília, o Espaço Ecco, em parceria com a Embaixada da Alemanha, inaugura dia 17 de maio, às 20h, a exposição "Brasília 50 Anos de uma Utopia Moderna" do fotógrafo alemão Thomas Kellner. O artista apresenta trabalho inédito, desenvolvido após pesquisa feita nos últimos 5 anos. A mostra fica em cartaz até 25 de julho.

Curador: Paul Wombell
 
Brasília 50 Anos de uma Utopia Moderna de Thomas Kellner
Retratar de forma não estereotipada os monumentos da cidade é o objetivo de Thomas Kellner, cujo trabalho que homenageia não só o cinquentenário de Brasília, mas também o arquiteto Oscar Niemeyer, pois a maioria da fotos referem-se a monumentos criados por ele. O curador da exposição é o crítico inglês Paul Wombell que estará na cidade para abertura. Segundo ele “Brasília foi desenhada para o movimento. Uma cidade definida numa trama que corta a savana com a forma de um avião. Brasília não seria modelada de acordo com as cidades brasileiras já existentes ou com qualquer outra cidade do mundo”.
Kellner, que há mais de 10 anos fotografa monumentos em vários países, como França, Estados Unidos e China, representa o espaço fazendo referência à arquitetura. Em Brasília busca exibir características da cidade sugeridas pelo projeto original, como a de uma cidade desenhada na era da máquina, mas preocupada com o lado humano. Cada monumento é apresentado como “um esqueleto formando uma trama de possibilidades: as possibilidades de novas construções, de uma nova cidade, de um novo mundo baseado em um programa de melhoria social. Essa é a trama da modernidade”…
Thomas Kellner nasceu em 1966, vive e trabalha em Siegen (Alemanha), onde estudou Arte, Sociologia, Política e Economia, e é membro da sociedade alemã de fotografia. Desde 1989, seu interesse esteve voltado para a fotografia experimental e conceitual, sendo que sua obra começou a ter maior visibilidade a partir de 1997, quando ganhou o prêmio Kodak para novos profissionais. Recebeu no ano passado os prêmios de Excelência no Festival Internacional de Pingyao, na China, e de Finas Artes, na Alemanha.

 

http://www.maisbrasilia.com/2010/Default.asp?Pagina=Eventos_Mostrar&TIPO_EVENTO=3&ID_EVENTO=59

----------------------------------------------------------------------------

Portal PHOTOS Materias

 

Cinquenta anos de utopia
Thomas Kellner expõe em Brasília
Josemar Martins
 
  
O Espaço ECCO e a Embaixada da Alemanha inauguraram a exposição Brasília 50 anos de uma utopia moderna, do fotógrafo alemão Thomas Kellner. A mostra fica em cartaz até 25 de julho de 2010. O evento, que terá visita guiada com o curador Paul Wombell, às 19h, integra a programação oficial do aniversário de cinqüenta anos de Brasília, além de homenagear o arquiteto Oscar Niemeyer, já que a maioria das obras retrata monumentos criados por ele.

O isolamento espacial da maioria das construções projetadas por Oscar Niemeyer é um contexto valorizado nas obras. Os prédios geralmente são emoldurados apenas pelo céu e a inovadora técnica utilizada dá a sensação de que os prédios estão dançando ou se desmanchando. O trabalho é artesanal: parte do desenho do artista, depois a câmera esquadrinha o prédio a partir de um ponto e isto é repetido em vários filmes analógicos de 36 poses, para completar a reconstrução da imagem fotografada, recriada, clique a clique. O resultado final mostra imagens unidas, em reconstrução do objeto fotografado que parece ter dinâmica e movimento próprio.

Kellner é conhecido mundialmente por seu trabalho que faz referência à arquitetura. Nesta exposição em especial, o artista busca exibir características da cidade sugeridas pelo projeto original, como a de uma cidade desenhada na era da máquina, mas preocupada com o humano. Nesta mostra, Kellner apresenta a capital como uma trama.

Sobre o artista

Thomas Kellner nasceu em 1966, vive e trabalha em Siegen (Alemanha), onde estudou Arte, Sociologia, Política e Economia, e é membro da sociedade alemã de fotografia. Desde 1989, seu interesse esteve voltado para a fotografia experimental e conceitual, sendo que sua obra começou a ter maior visibilidade a partir de 1997, quando ganhou o prêmio Kodak para novos profissionais. Recebeu no ano passado os prêmios de Excelência no Festival Internacional de Pingyao, na China, e de Finas Artes, na Alemanha.

Com importantes publicações ao redor do mundo, seus trabalhos integram coleções de museus em vários países como o Instituto de Arte de Dayton, Ohio e o Museu de Belas Artes, Boston, ambos nos Estados Unidos, além de coleções privadas como a Schuppmann na Alemanha.

Mais informações:
Fones: 61.33272027 ramais 20, 29 ou 31. ou 99642103
Espaço Cultural Contemporâneo ECCO
SCN Quadra 3 Lote 5 (ao lado da concessionária JORLAN)
www.eccobrasilia.com.br
 
 

http://photos.uol.com.br/materias/ver/57118

----------------------------------------------------------------------------

Tribuna do Brasil

 

?Brasília 50 Anos de Uma Utopia Moderna?
 
 Ampliar imagem
Fotógrafo alemão Thomas Kellner apresenta trabalho Inédito sobre a arquitetura da capital federal
Emanuelle Coelho
 
Em parceria com a Embaixada da Alemanha, o Espaço Cultural Contemporâneo (ECCO), abre hoje,  às 20h, a exposição “Brasília  50 Anos de Uma Utopia Moderna”. Na mostra, o fotógrafo alemão Thomas Kellner apresenta um trabalho inédito, desenvolvido após pesquisa feita nos últimos cinco anos, sobre a arquitetura da capital federal. A abertura será feita pelo curador da exposição,  o crítico inglês Paul Wombell. A idéia de Kellner é de retratar, de forma não estereotipada os monumentos de Brasília, homenageando a região administrativa e também o arquiteto Oscar Niemeyer. Procura valorizar o isolamento espacial da maioria das construções projetadas pelo arquiteto. Há mais de dez anos, o artista fotografa monumentos em vários países, como França, Estados Unidos e China.  A mostra fica em cartaz até 25 de julho de 2010. Nascido em 1966, o fotógrafo Thomas Kellner vive e trabalha em Siegen, na Alemanha. Desde 1989 demonstra interesse na fotografia experimental e conceitual e começou a ter visibilidade partir de 1997, quando ganhou o prêmio Kodak para novos profissionais. No ano passado ganhou também os prêmios de Excelência no Festival Internacional de Pingyao, na China, e de Finas Artes, na Alemanha. Dentre as principais publicações estão em todo o mundo estão: “Thomas Kellner: All shook up”, “O Ateneu de Boston”, Boston, EUA, 2008, “Thomas Kellner: Dancing Walls”, 2007 e “Thomas Kellner: Tango Metropolis”, Galeria Imagem, Aarhus/Dinamarca, 2005. Seus trabalhos integram coleções de museus em vários países  como o Instituto de Arte de Dayton, Ohio e o Museu de Belas Artes, Boston, ambos nos Estados Unidos, além de coleções privadas como a Schuppmann na Alemanha. O Espaço Cultural Contemporâneo também dá continuidade a 20ª etapa do seu Programa Educativo, com o XXV Encontro Técnico do Programa Educativo. Um curso de capacitação com o tema “Arte e Cidade: Símbolo, Mito e Utopia - Educação e cidadania”, que também está ligado ao conteúdo da nova exposição internacional de fotografia do artista Thomas Kellner. Nas disciplinas abordadas, artes, história, arquitetura e psicologia. Será nesta terça-feira, 18 de maio, das 14h às 18h, no próprio espaço. As inscrições podem ser feitas pelos e-mails educativo@eccobrasilia.com.br, ecco@arte21brasilia.com.br e recepcao@eccobrasilia.com.br ou pelos telefone: (61) 3327-2025 / 3327-2027 ramais 29 e 31 ou (61) 9964-2103. As inscrições e o material impresso são gratuitos. Os participantes receberão certificado, com reconhecimento de Extensão da Universidade de Brasília (UnB).
SERVIÇO
 Exposição “Brasília 50 Anos de Uma Utopia Moderna”
Abertura: 17 de maio
Horário:  às 20h
Local: Espaço Cultural Contemporâneo
Endereço: SCN Quadra 3 Lote 5

http://www.tribunadobrasil.com.br/site/index.php?p=noticias_ver&id=20809

----------------------------------------------------------------------------

Universidade de Brasilia


Roberto Fleury/UnB Agência
 
 
Fotógrafo alemão desconstrói arquitetura brasiliense
Thomas Kellner prepara ensaio inédito sobre a capital modernista. Prédios do ICC, Biblioteca e Reitoria estão entre os retratados

Joana Wightman - Da Secretaria de Comunicação da UnB
 
 Tamanho do Texto

Criada nas pranchetas de Lucio Costa e Oscar Niemeyer, Brasília ocupa papel singular na história da arquitetura contemporânea. Suas cores e formas, que já foram retratadas por artistas de todo o mundo, ganham agora uma nova interpretação sob o olhar do alemão Thomas Kellner.
Dentro do conceito de foto-arte (fotografia como expressão artística), Kellner descontrói as imagens dos prédios clique por clique. Depois, as organiza em minunciosos mosaicos. “Toda cidade tem sua própria identidade. No entanto, a de Brasilia foi definida a partir da concepção do arquiteto Oscar Niemeyer”, reflete o fotógrafo alemão.
A proposta  de retratar a capital modernista surgiu há cinco anos. Desde então, ele já fez quatro visitas à cidade. O resultado será transformado em um ensaio fotográfico provisoriamente entitulado de  “Brasilia, 50 anos de uma utopia moderna”. 
Roberto Fleury/UnB Agência
 

Kellner faz esboço e calcula enquadramento do jardim de inverno da Reitoria
PRODUÇÃO ARTESANAL - No prédio da Reitoria da Universidade de Brasilia, Kellner fez fotos do jardim de inverno. O teto de concreto com quadrados vazados, semelhante a um tabuleiro de damas, e as imensas samambaias chamaram a atenção do fotógrafo alemão.
Entre um trago e outro do cigarro, o fotógrafo, de 43 anos, cabelos lisos e louros protegidos por um chapéu panamá, preparava os equipamentos e montava seu detalhado esquema de produção. Cada fotografia leva de duas a três horas para ser tirada. O filme usado é o de 35 milímetros e cada quadradinho que compõe a foto (frame) é clicado para depois ser montado como um quebra-cabeças.
“É um registro inédito a partir de um olhar estrangeiro. A fotografia artística influenciada pela arquitetura vai reverenciar a cidade como a verdadeira obra de arte que Brasília é”, ressalta a diretora do espaço cultural Ecco e idealizadora do projeto, Karla Osório. A previsão, segundo ela, é inaugurar a mostra fotográfica com 50 retratos em abril de 2010.
Karla Osório conheceu Kellner em 2004, durante uma exposição em Houston (EUA), e ficou impressionada com a originalidade de sua obra. “Nunca tinha visto algo parecido. Ele é precursor de um estilo que resgata uma antiga técnica de fotografia em 35mm”, destaca.
Roberto Fleury/UnB Agência
 

O processo de captação das imagens leva até três horas para ser finalizado
O convite para fotografar Brasília surgiu nesta ocasião e o alemão topou o desafio de recriar os monumentos, igrejas e edifícios de Brasília. O processo criativo começa a partir de esboços que ele mesmo desenha em um caderno, uma espécie de diário de bordo.
 
O segundo passo é escolher o melhor ângulo e definir o formato da foto: panorama, horizontal ou vertical. A partir daí, o fotógrafo consegue calcular quantos cliques serão necessários para montar a foto-mosaico. “Fui o primeiro a descobrir o método desconstrutivista em 170 anos de história da fotografia”, assinala Kellner. O cubismo, movimento artístico que representa imagens por meio de formas geométricas, é uma de suas principais influências.
Desde que chegou a Brasília, no último dia 13 de maio, ele já clicou a Torre de TV, a Catedral, o Teatro Nacional e vários dos prédios da Esplanada dos Ministérios. Na UnB, Kellner fotografou o Minhocão, a Biblioteca, a Reitoria e a Faculdade de Educação.
Além de um exposição, o olhar de Kellner sobre Brasília será registrado em livro. A publicação terá textos do escritor inglês e ex-diretor da Galeria de Fotografia de Londres, Paul Womble. Kellner nasceu em 1966, na cidade de Bonn (Alemanha), e ganhou sua primeira câmera fotográfica aos quatro anos de idade. Kellner foi professor de história da arte e ganhou prêmios como Young Professional da Kodak. Ele tem obras expostas nas coleções do Museu de Arte de Houston e no Instituto de Artes de Chicago.
Thomas Kellner
 

A Catedral Metropolitana de Brasília por Thomas Kellner (veja mais)

 

http://www.unb.br/noticias/unbagencia/unbagencia.php?id=1719

----------------------------------------------------------------------------

 

 

 

The Contemporary Cultural Space – ECCO (Espaço Cultural Contemporâneo) and the Embassy of Germany present the individual exhibition

"BRASILIA 50 YEARS OF A MODERN UTOPIA",

by the German artist Thomas Kellner


Opening: May 17th, on Monday, at 20:00h

 

Guided visit with the English curator Paul Wombell, at 19:00hXXV Technical Meeting for Educators Date: May 18th, on Thursday, at 14:00h Theme: Art and City: symbol, myth and utopia - education and citizenship. Free course, limited availability and delivery of certificate-aware Extension of UNB